Diretoria do SINDACS/TCS rebate infâmias do Ex-Presidente da categoria e desmentem informações maldosas e mentirosas sobre a contribuição sindical.

                Por conta dos maldosos comentários proferidos nas Redes sociais pelo Ex-Presidente do Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde e Técnicos em Agentes Comunitários de Saúde de São Luis- SINDACS/TCS, a Direção desse sindicato no uso de suas atribuições legais, a que os compete, vem diante de todos que fazem parte dessa instituição representativa, desmentir com provas cabíveis, todos os comentários difundidos irresponsavelmente nesses veículos de informações.

        Diferente das administrações que antecederam à atual  Gestão,todas as ações realizadas são feitas de forma transparente, nada escondido, ninguém aqui recebe propina ou propostas indecorosas para beneficiar particularidades. Talvez o que incomoda alguns é o fato de durante esses 15 anos de existência desse Sindicato, nada ou quase nada de concreto ter sido feito em benefício da categoria, contrário às visíveis conquistas que já foram alcançadas nesse pouco tempo de gerenciamento da atual gestão, diga-se de passagem, que para tais avanços, não houve necessidades de manifestações em frente à Prefeitura, como outrora, ao contrário, usou-se e continua se usando as habilidades do diálogo, pois esse é um dos melhores veículos de negociação, motivo pelo qual se tem hoje acesso livre a todos os setores públicos do Município, de modo particular a SEMAD E A SEMUS. Essa relação de aproximação tem de fato irritado os incomodados, pois em outros tempos a categoria não era recebida nem pelo Gestor Municipal e nem por  seus secretários

        “Nossa diretoria trabalha com a verdade, não temos sujeiras debaixo de tapetes e nosso Sindicato não está em decadência como andam  propagado injustamente alguns mequetrefes, lembrando que nesses quinze anos de fundação dessa Instituição do Terceiro Setor, pouco ou quase nada foi feito pela categoria, nas gestões passadas não havia décimo quarto salário , não se discutia a transposição de Regime, nem aposentadoria, o prefeito não recebia a diretoria,hoje basta agendarmos que somos recebidos sem nenhuma dificuldade , e todos os meses nos reunimos na SEMUS com o Secretário Lula Fylho, onde apresentamos nossas reivindicações,cobramos nossos direitos sem precisar negociar interesses particulares, tudo que buscamos é para o bem da nossa categoria”.Desabafou a Presidente Flor Liz.

        A Presidente, para fazer jus ao apoio recebido pelo Vereador Pavão filho, disse que o parlamentar marca presença em todas as reuniões realizadas com o Prefeito Edivaldo Holanda Junior e o Secretário de Saúde da SEMUS Lula Filho, o mesmo, tem se colocado ao lado do Sindicato e junto com a diretoria cobrado do Gestor Municipal os diretos que tem sido reivindicados, na ausência do vereador, faz-se presente o chefe do seu Gabinete J.Melo, que com a mesma simpatia do nobre parlamentar contribui também com as discussões junta ao secretário e sua assessoria.

        Para provar que o Ex-Presidente mente em relação ao desconto da contribuição sindical, e que seu objetivo é dividir a categoria, veja o que diz Lei  LEI Nº 13.467, DE 13 DE JULHO DE 2017

Lei  LEI Nº 13.467, DE 13 DE JULHO DE 2017

Altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e as Leis nºs 6.019, de 3 de janeiro de 1974, 8.036, de 11 de maio de 1990, e 8.212, de 24 de julho de 1991, a fim de adequar a legislação às novas relações de trabalho.

     O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

  Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

  Art. 1º A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, passa a vigorar com as seguintes alterações:

“Art. 2º ……………………………

Art. 545. Os empregadores ficam obrigados a descontar da folha de pagamento dos seus empregados, desde que por eles devidamente autorizados, as contribuições devidas ao sindicato, quando por este notificados.
………………………………………………………………………………….” (NR)

“Art. 578. As contribuições devidas aos sindicatos pelos participantes das categorias econômicas ou profissionais ou das profissões liberais representadas pelas referidas entidades serão, sob a denominação de contribuição sindical, pagas, recolhidas e aplicadas na forma estabelecida neste Capítulo, desde que prévia e expressamente autorizadas.” (NR)

“Art. 579. O desconto da contribuição sindical está condicionado à autorização prévia e expressa dos que participarem de uma determinada categoria econômica ou profissional, ou de uma profissão liberal, em favor do sindicato representativo da mesma categoria ou profissão ou, inexistindo este, na conformidade do disposto no art. 591 desta Consolidação.” (NR)

“Art. 582. Os empregadores são obrigados a descontar da folha de pagamento de seus empregados relativa ao mês de março de cada ano a contribuição sindical dos empregados que autorizaram prévia e expressamente o seu recolhimento aos respectivos sindicatos.
…………………………………………………………………………………..” (NR)

“Art. 583. O recolhimento da contribuição sindical referente aos empregados e trabalhadores avulsos será efetuado no mês de abril de cada ano, e o relativo aos agentes ou trabalhadores autônomos e profissionais liberais realizar-se-á no mês de fevereiro, observada a exigência de autorização prévia e expressa prevista no art. 579 desta Consolidação.
…………………………………………………………………………………..” (NR)

“Art. 587. Os empregadores que optarem pelo recolhimento da contribuição sindical deverão fazê-lo no mês de janeiro de cada ano, ou, para os que venham a se estabelecer após o referido mês, na ocasião em que requererem às repartições o registro ou a licença para o exercício da respectiva atividade.” (NR)

“Art. 602. Os empregados que não estiverem trabalhando no mês destinado ao desconto da contribuição sindical e que venham a autorizar prévia e expressamente o recolhimento serão descontados no primeiro mês subsequente ao do reinício do trabalho.
…………………………………………………………………………………..” (NR)

Veja a fala da Presidente Flor de Liz sobre os falsos comentários do  Ex-Diretor do Sindicato

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *