Educação Infantil: os desafios até chegar na sala de aula

Falta de exercícios práticos durante a formação inicial é a principal queixa relatada pelos profissionais de Educação

A criança durante a Educação Infantil tem contato pela primeira vez com milhares de sentidos e sensações. Cada exercício ou brincadeira pode se transformar em uma experiência guiada pelos professores. Mas como esses profissionais aprendem? E quais os desafios de levar as lições e diretrizes da BNCC para a sala de aula? Pensando nisso, a NOVA ESCOLA entrevistou especialistas, professores e diretores pedagógicos que têm contato com esse período para contar mais sobre os desafios de quem leciona nessa etapa.

A pedagoga Mônica Samia, que fez seu doutorado sobre formação para Educação Infantil e publicou o livro “Diálogos sobre Formação de Formadores da Educação Infantil”, explica que o modelo atual no qual professores de Educação Infantil se respaldam ainda é muito calcado no campo conceitual e teórico. Para ela, é imprescindível que esses profissionais comecem a ter contato com saberes mais práticos e focando, principalmente, na escuta como matéria-prima dessa etapa.

O documento que regula a formação de profissionais da área nas universidades é o das Diretrizes Nacionais para o curso de Pedagogia, de maio de 2006 , que traz, em seu artigo 5, no I e II items:

Art. 5º O egresso do curso de Pedagogia deverá estar apto a:

I – atuar com ética e compromisso com vistas à construção de uma sociedade justa, equânime, igualitária;

II – compreender, cuidar e educar crianças de zero a cinco anos, de forma a contribuir, para o seu desenvolvimento nas dimensões, entre outras, física, psicológica, intelectual, social;

LEIA MAIS   O que muda na Educação Infantil com a BNCC

Mais recentemente, a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) definiu seis direitos de aprendizagem aos quais toda criança tem direito na Educação Infantil. São elas: conviver, brincar, participar, explorar, expressar e conhecer-se. Apesar desses campos determinados, como é a realidade de quem leciona para os pequenos? E como levar a teoria do formando em Pedagogia para o campo prático da sala de aula?

Reconhecer a Educação Infantil é o primeiro passo

Para Priscilla Amaral, professora formada em Pedagogia e que atualmente leciona na prefeitura municipal de São Paulo, o ensino para quem quer seguir a área pedagógica realmente é pouco prática, o que pode dificultar, muitas vezes, o entendimento do que e como cada campo deve ser ensinado.

Para ela, as áreas de recreação, ludicidade, jogos e brincadeiras deveriam ser melhor exploradas durante a formação dos professores. “Dentro da própria universidade que forma esses profissionais deveria ter mais aulas práticas nessas áreas, já que o foco da Educação Infantil é o brincar”, diz a pedagoga.

A diretora pedagógica Clea Braga Alves trabalha em Itabirito, município de Minas Gerais, e trabalha na coordenação pedagógica desde 2013. Ela conta que todo o corpo pedagógico vem se preparando, juntamente com os supervisores e professores, para as mudanças propostas pela implementação da Base. “Nós já estamos desde o ano passado nos preparando para essa transição”, explica ela.

Segundo a diretora pedagógica, o ensino para os profissionais que lecionam para a Educação Infantil realmente é muito teórico. Entre as críticas que ela faz, o curto período de estágio obrigatório não ajuda os profissionais e monitores que auxiliam os profissionais que chegam, em sua maioria, ainda muito despreparados. “Estamos capacitando todos os profissionais que têm chegado aqui”, conta ela.

LEIA MAIS   18 perguntas e respostas sobre a BNCC no Ensino Fundamental

Protagonismo x direito

Jussara Santos, professora de crianças de 5 e 6 anos da rede pública municipal de São Paulo, conta que sua experiência como educadora para os pequenos mudou muito o seu olhar. Para ela, só faz sentido o protagonismo dado às crianças, expresso na nova BNCC, quando os educadores de fato ouvem a criança. “Eu passei a pensar como no processo que vivo diariamente, o professor acaba virando aprendiz e o aprendiz também vira professor”, reflete ela. Além de se pautar nos ensinamentos pedagógicos, é importante que o profissional fique atento e alerta para o que as crianças vivenciam no dia a dia. “O protagonismo se dá a partir de um currículo que valoriza o que as crianças falam”.

O que motiva esses profissionais?

O salário, em média  de R$ 2.790 por mês para os profissionais de Educação Infantil que lecionam na rede municipal de São Paulo, é baixo se comparado com o de outras profissões. Segundo a diretora pedagógica Clea Braga Alves, o que motiva mesmo esses profissionais é a vontade e a descoberta. “O professor de Educação Infantil tem que dar carinho e tem que ter um olhar diferenciado. É algo do perfil desse educador”, diz.

EDUCAÇÃO INFANTIL FORMAÇÃO INICIAL

fonte-revista escola

Deixe uma resposta