Prefeitura de São Luís encerra cursos da Educação Especial com exposição das oficinas e recursos pedagógicos produzidos pelos cursistas nas salas de recursos.

Mais de 300 profissionais da educação participaram nessa tarde de quinta-feira (10), do encerramento dos   cursos oferecidos pela Prefeitura de São Luis, por meio da SEMED. O evento aconteceu no auditório Paulo Freire, com Universidade Federal do Maranhão (UFMA),com a exposição de vários recursos confeccionados pelos professores (alunos) dos cursos de Braille, Libras, Tecnologia Assistiva, Atendimento Educacional Especializado e Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva.

Durante o evento houve exposição de recursos pedagógicos, pôsteres científicos e a apresentação dos resultados das oficinas e projetos realizados nas escolas municipais no decorrer dos cursos. O projeto Oportunizar, que atende pessoas com deficiência intelectual, foi uma das iniciativas que estava presente ao evento e apresentou sua produção.

“Diferente das etapas passadas, esse ano tivemos muitas novidades e variados números de oficinas, com as mais diversas criatividades desenvolvidas durante estágio nas salas de recursos e regular, oportunidade em que todos tiveram em  desenvolver na prática o  que aprenderam durante os módulos, com esse saldo positivo percebemos nessa culminância  o quanto os professores se envolvem com a educação inclusiva, gostam realmente de criar  e se interessam em aprender para facilitar suas atividades lúdicas em sala de aula”.Comentou a professora Teresa

 

Representando os cursistas ,professor Nivaldo disse está satisfeito com o aprendizado absolvido durante o curso de formação continuada, elogiou os professores e coordenadores que realmente vestiram a camisa para oferecer o de melhor.

“apesar de alguns percalços na condução do curso AEE enfrentados pela professora Teresa e sua equipe, conseguimos superar as dificuldades, e hoje para a felicidade de todos estamos concluindo nosso curso e assumindo a responsabilidade de continuar colocando em pratica tudo o que aprendemos durante as aulas, esse aprendizado irá contribuir para aperfeiçoarmos a confecção dos recursos que serão utilizados nas salas de recursos e comum” Explanou professor Nivaldo

   “Durante o curso os professores ampliam o conhecimento, trocam experiências e têm novas possibilidades de atender as demandas em sala de aula, esta é uma orientação do prefeito Edivaldo. E é no workshop que os docentes mostram na prática a importância desta formação, criando recursos e permitindo a inclusão dos estudantes”, assinalou o secretário de Educação, Moacir Feitosa.

A superintendente da Área de Educação Especial da Semed, professora doutora Dalvina Ayres, destacou a consolidação e a importância deste espaço para a formação de docentes. “Este é um espaço de formação contínuo, de aprendizado, o resultado está na exposição dos recursos, cada um deles desenvolvido com dedicação e competência pelos professores. A inclusão é um processo e todos nós somos responsáveis por fazer esse processo andar”, pontuou. A superintendente anunciou ainda novidade na grade de cursos para este ano: “Vamos oferecer um novo curso na área de Neurociência no Contexto Pedagógico”, revelou.

Presente ao evento, a promotora de Educação Inclusiva, Lucianne Belo, parabenizou o trabalho dos cursistas. “Hoje é dia de comemorar a dedicação de cada um, o amor pelo trabalho. Em cada workshop nos deparamos com mais novidades criadas por vocês, com materiais reciclados, que muitas vezes são melhores que qualquer alta tecnologia”, disse. E completou emocionada: “Vocês criam o recurso, vocês são o recurso”.

O professor Luis de França Araujo Neto, da Unidade de Educação Básica (U.E.B.) Padre Antonio Vieira, no Jardim São Cristóvão, está na área de Educação Especial, na rede municipal, há sete anos. Para ele, trabalhar com estudantes com deficiência é para quem está disposto a se dedicar. “Tenho paixão pelo que faço, pois acredito no potencial dessas crianças, eles são capazes. São seres humanos capazes de se impor”, disse.

O educador conta que um dos fatos mais marcantes na sua profissão foi logo no início, quando um aluno dele, com deficiência intelectual, passou no seletivo do colégio Liceu Maranhense. “A mãe dele me procurou para agradecer. Ela contou que ele foi avaliado como os demais, sem ter uma prova especial”, disse. E concluiu: “Este é nosso maior prêmio. A gratidão desta mãe deixa claro que nosso trabalho vale sim muito a pena”.

 

 

 

Deixe uma resposta