.Comportamento Humano na Ótica Filosófica…

A filosofia ainda pode tratar do comportamento humano numa tentativa de compreendê-lo e, às vezes, de direcioná-lo. Também chamada de filosofia prática ou de filosofia moral, porque lida com os fatos morais ligados ao comportamento humano, a Ética é um dos campos de investigação mais vastos em toda a filosofia. Desde os antigos gregos até os dias de hoje, a Ética tem sido estudada com um vigor que em momento algum perdeu o fôlego, ao contrário de tantos outros ramos da filosofia. Podemos conjeiturar a este respeito dizendo que interessa muito ao ser humano conhecer as regras do convívio social harmonioso.
Por vezes é usado o termo “Moral” no mesmo sentido do de “Ética”, no entanto cabe aqui uma pequena distinção entre estes termos e que pode ser de certa importância. Entendemos por Moral ou por Moralidade um certo conjunto de afirmações, ou de convenções, ou mesmo de regras, estabelecidos de comum acordo pelos membros de uma comunidade, com o fim de preservar certos hábitos ou costumes que lhes são inerentes e, também, de não permitir a fácil assimilação de comportamentos considerados danosos para esta comunidade. Neste sentido, Moral ou Moralidade pode ser definida como uma ligação explícita ou implícita entre um grupo de pessoas, lhes conferindo uma identidade por meio da consonância de gostos, hábitos e comportamentos.
Por sua vez, Ética, em sentido estrito como filosofia prática ou filosofia moral, é o discurso crítico realizado sobre a Moral. A Ética aparece quando a filosofia volta seu olhar investigativo para esta consonância de hábitos, gostos e comportamentos, tentando avaliar, julgar e promover uma certa ordem sobre eles. Se nos utilizarmos de um paralelismo, podemos dizer que, assim como a filosofia da ciência não se confunde com a Ciência, também a Ética não se confunde com a Moral. A Moral é um estado comportamental, consolidado pelo tempo, e que não precisa aparecer na forma de leis escritas, mas pode estar subentendida por todos do grupo numa espécie de consciência moral. A Ética quer investigar, entender e discursar sobre as origens e a importância deste estado moral.
Na medida em que o homem se surpreende vivendo em grupo, são assumidas certas regras de comportamento para manter a coesão desse grupo. Estas regras limitam as liberdades individuais para garantir a força desse grupo em diversas situações de risco e ameaça. Temos um exemplo bastante pertinente da força de coesão moral das regras nas Tábuas dos Dez Mandamentos. Estas Leis Divinas, recebidas diretamente de Deus por Moisés, consolidaram as bases morais do povo hebreu por milhares de anos. Estas Leis definiram que ações eram permitidas por meio daquelas que eram proibidas, deixando naqueles que as respeitavam a sensação de ciência sobre o certo e o errado, sobre o crime e o castigo, sobre o pecado e a punição.
Basicamente é este o fim de qualquer estado moral, indicar aos seus membros o caminho do certo e do errado, para que estes optem pela primeira opção e descartem a segunda como alternativa de vida. Entrementes, como cada grupo possui peculiaridades próprias de formação e de existência, possuindo hábitos e comportamentos distintos entre si, este certo e errado irá variar de grupo para grupo.
Em um momento inicial da história humana, os grupos sociais se mantinham coesos pela existência de um poder divino. Isto é, assim como os eventos da natureza possuíam uma origem divina, as leis das sociedades também deveriam possuir uma fonte divina. As sociedades portadoras de tais Leis se tornavam herdeiras dos hábitos de conduta dos deuses e, portanto, se tornavam os escolhidos para partilharem de um lugar perto deles. As Leis, como os Dez Mandamentos, vinham diretamente de Deus e os seres humanos se viam impingidos a escolher entre o bem e o mal, que eram as manifestações e os resultados das ações certas ou erradas. Na maioria das vezes, a escolha errada distanciaria os homens de seu criador, enquanto as acertadas os aproximariam dele.
Posteriormente vemos estas Leis se desvincularem das mãos divinas e se tornarem cada vez mais pertencentes ao campo do estritamente humano. Vemos surgirem as leis cíveis, que regulamentam o comportamento humano da mesma forma que as leis divinas, apontando o certo e o errado (o bem e o mal), porém sem a conotação intrínseca de pecado das leis divinas. A criação dessas leis, assim como as sanções para as faltas cometidas, ficam a cargo dos próprios homens. É o homem apontando o caminho do bem moral, social e legal para si mesmo. Contudo, as Leis divinas não deixaram de existir por causa disto e parecem conviver em harmonia com as leis dos homens. A Ética se encarrega, então, de traçar algum paralelo racional entre estes dois âmbitos de manifestação da justiça.
A justiça, em geral, se manifesta pela execução de julgamentos. Resumida-mente, os julgamentos são enunciações de juízos acerca de atitudes e comportamentos exclusivamente humanos. Estes juízos podem ser aprobatórios ou re-probatórios e se referem aos comportamentos considerados bons ou maus respectivamente. A todo instante de nossas vidas enunciamos juízos, realizamos julgamentos, aprovando ou reprovando os comportamentos e as atitudes de nossos próximos. Assim, direcionamos a nossa própria conduta nos baseando em
exemplos positivos ou negativos que os outros nos fornecem. Deste modo, a sociedade obtém parâmetros para a busca incessante de um ideal de perfeição que só pode ser encontrado nas boas ações, nas ações corretas, naquelas em que o ser humano melhor manifesta os seus diversos potenciais.
1- Quando dizemos que alguém agiu corretamente e que, por isso, é uma pessoa de bom caráter, estamos realizando um julgamento moral acerca de suas ações. ter bom caráter, ou agir corretamente, no entanto, variam de grupo para grupo. Você está de acordo com a afirmação de que é muito difícil realizar um julgamento moral quando se desconhece as regras e os hábitos de um determinado grupo específico? Explique.
2- Os populares “preconceitos” podem se enquadrar em equívocos de julgamento moral? Explique.
3- Em sua opinião, como definir o Bem e o Mal sem se utilizar de exemplos?
4- Será que seria possível, para uma sociedade qualquer, atingir o ideal de perfeição moral tomando suas próprias ações como parâmetros? Explique.
5- Atualmente, fala-se muito em ética na política. Faça uma avaliação das ações dos políticos brasileiros e explique se estão ou não sendo éticos. Dê exemplos concretos.
https://issuu.com/fkestudio/docs/livro_6_ano

Analisar a letra da música de MORAE,Eduardo Étice

Ética desaprova a emoção
Cientistas não são alquimistas
A idade média já passou de novo
Esta é a era da razão
Este é um tempo de persuasão
Uma mão na roda e a outra no chão
Circo e pão não anestesiam mais
Dessa caverna não sai dragão

A vela apagou, a lâmpada queimou
O gás acabou, não vejo mais nada
Deve ser a idade média, a idade da pedra
É a idade da razão e da Ética, ética, ética
Que desaprova a emoção

Ser condenado pela sua inquisição em seu coração ser queimado vivo, passar pelas suas torturas
Me faz pensar no sofrimento em vão

A vela apagou, a lâmpada queimou
O gás acabou, não vejo mais nada
Deve ser a idade média, a idade da pedra
É a idade da razão e da Ética, ética, ética
Que desaprova a emoção

ATIVIDADE

A -Na música temos a afirmação: “esta é a era da razão¨”. Apresente Alguns exemplos contrários a essa afirmação que você escuta nos noticiários

b-Qual o seu entendimento para a letra:” É a idade da razão e da Ética, ética, ética Que desaprova a emoção”

c- Circo e pão não anestesiam maisDessa caverna não sai dragão, “Que isso significa”

d-Crie mais uma estrofe dessa música  falando sobre a importância de pensar bem para viver bem, filosofando e sendo ético

Morae. eduardo étice , banda fines africae,ética

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui