Embarcação resgatada no Maranhão ficou à deriva por 34 dias com africanos e dois brasileiros

Imigrantes que foram resgatado em uma embarcação em uma embarcação à deriva próximo ao Município de São Luis, contaram em depoimento à Polícia Federal que o barco partiu de Cabo Verde entre os dias 16 e 17 de abril com destino ao Brasil.

A distância aproximada entre o país africano – um conjunto de ilhas no meio do Oceano Atlântico – e o Maranhão é de cerca de 3 mil km. Mas a Polícia Federal informou que não há como definir com precisão a distância percorrida pela embarcação, que transportava 25 imigrantes e 2 brasileiros.

Alguns dos imigrantes contaram à PF que pagaram aos 2 brasileiros cerca de 1.100 euros (cerca de R$ 4.800) cada um para fazer a travessia até o Brasil. Segundo o delegado Robério Chaves da Polícia Federal, os supeitos naturais do Rio Grande do Norte da Bahia contaram em depoimento que o barco teria sido adquirido para praticar turismo. A PF não revelou o nome dos suspeitos.

Após a prisão dos suspeitos eles foram encaminhados para o complexo penitenciário de  São Luis. onde devem permanecer para prestar novos depoimentos sobre o caso. Segundo o delegado Luís André Lima Almeida, chefe da delegacia de imigração da Polícia Federal, os brasileiros devem responder por promoção de imigração ilegal, que tem pena prevista de dois a cinco anos de prisão que pode aumentar dependendo das condições do transporte.

De acordo com a polícia a embarcação que saiu de Cabo Verde tinha como destino a cidade de Natal no Rio Grande do Norte e possivelmente seguiria em direção a São Paulo ou Rio de Janeiro. No meio do caminho, a embarcação enfrentou uma tempestade que teria quebrado o mastro do barco e fez com que o motor pifasse.

Os imigrantes ficaram no mar durante 35 dias até serem encontrados por um grupo de pescadores cearenses que trouxeram a embarcação até a costa maranhense. Foram encontrados estrangeiros vindos do Senegal, Nigéria, Guiné, Serra Leoa e Cabo Verde, além dos dois brasileiros.

Apoio

Ao chegar ao cais, os imigrantes estavam com quadro de desidratação. Eles receberam atendimento médico, refeições e apoio psicológico e foram encaminhados para o Ginásio Costa Rodrigues, em São Luís, onde receberão apoio da Secretaria de Direitos Humanos e Participação Popular (Sedihpop) do governo do Maranhão.

Segundo a Polícia Federal, ainda não foi definido qual será o destino dos imigrantes. Uma possibilidade é que eles sejam enviados de volta aos países de origem. Outra é a concessão de refúgio.

Entenda o caso

Uma embarcação com 25 imigrantes africanos foi encontrada à deriva na noite desse sábado (19), próximo ao município de São José de Ribamar na Região Metropolitana de São Luís. De acordo com a Capitania dos Portos do Maranhão, a Marinha foi avisada, na manhã de sábado, que havia um barco, supostamente com a bandeira haitiana, com 27 pessoas a bordo perto de São José de Ribamar.

Foram, então, iniciadas buscas pela embarcação chamada de “Rossana”. As 19h, a Capitania recebeu a informação que um barco pesqueiro do Ceará estava rebocando a embarcação. O grupo tentou ir até o Porto do Itaqui, mas não conseguiram.

Segundo o pescador, o barco já estava quase sem suprimentos, e “Rossana” estava em condições precárias. Eles tiveram autorização para atracar às 23h30 no cais de São de José de Ribamar. Ao chegar ao cais, equipes do Corpo de Bombeiros, do Governo do Maranhão e das polícias Federal e Militar recolheram as primeiras informações com os imigrantes.

Deixe uma resposta