O cristão e a negligência com a saúde

Essa semana estava lendo um artigo do Tim Challies, cujo título era: “Proteja sua saúde”. E me fez lembrar do que um seminarista me disse há alguns anos atrás. Numa conversa informal. Eu comentei que nós deveríamos tomar bastante água no verão, se possível levar uma garrafinha para a mesa de escritório. Aí ele me disse: “Você tem medo de morrer? Não sei para que se preocupar com esse tipo de coisa”. Na hora eu não tive resposta de tão desnorteada com aquela afirmação. Mas não, eu não tenho medo de morrer e Deus é quem sabe a hora. O que pretendia com a ingenuidade do comentário sobre a água era para tentar ajudar, apenas isso. Não vou entrar no mérito dos benefícios da hidratação aqui, por que o foco de hoje é: O cristão pode cuidar da saúde?

A minha resposta é: Não só pode como deve! Vou citar aqui o trecho do artigo que comentei acima:“Muitas pessoas hoje sustentam uma forma do antigo ensinamento do gnosticismo. Eles acreditam que a alma tem um grande significado, enquanto o corpo é meramente um vaso inútil para ser usado. Mas, como cristãos, devemos ver muito além disso, pois cuidar do corpo é também cuidar da alma”.

Antes de continuar, devemos ser prudentes em compreender que cuidar (tomar conta, zelar) é bem diferente de obstinar (ser fanático). Entendido isso podemos dizer que estar em dia com a saúde pode contribuir e muito para o desenvolvimento das coisas de Deus e poder executar nossas tarefas de forma ágil. No meu caso, sou educadora física de formação e pós-graduada em alimentos funcionais, treino há mais de 10 anos (hoje tenho 32 anos) não tenho dor nas costas, joelhos, meu coração está ótimo, colesterol, triglicérides, etc… Aí você pode dizer: Mas o que isso tem a ver com suas atividades? Te respondo, não tem coisa mais gratificante do que poder limpar minha casa e não ter dores, nas costas, poder trabalhar o dia todo e não ter má circulação, poder chegar em casa do trabalho e ainda dar atenção ao marido. Fácil não é, mas como tudo na vida, se não tiver um objetivo não vamos chegar a lugar algum.

O mesmo seminarista me disse: “É muito feio recusar refrigerante quando você vai visitar alguém”.Oi? Como assim? É pecado eu recusar alguma coisa que me faz mal? Eu diria: “Não, obrigada. Aceito uma água, por favor”. Enfim, o que muitos crentes hoje em dia não falam é sobre a GULA.

Você decide o que vai ingerir, a culpa não é de quem te oferece, a culpa é de quem não consegue falar “não” para aquilo lhe faz mal. Tem muito crente preocupado em lidar com o pecado do orgulho, luxúria, mas se esquecem de se preocupar com o autocontrole quando vê comida na frente. Se você está sempre na dispensa ou geladeira e sente um desejo desenfreado por sobremesas, isso pode dizer mais sobre você do que pensa. Concordo e muito com o que Jerry Bridges diz: “A pessoa esganada, poderá encontrar dificuldades em fazer com que seu corpo mortifique outros pecados. O hábito de ceder sempre aos desejos pela comida, poderá se estender para outras áreas da sua vida”. Uauu que afirmação maravilhosa! Se eu não resisto a um brigadeiro (algo tão simples), como poderia resistir a um link de nudez na internet? (algo tão sério). A comida é um presente maravilhoso, mas que pode se tornar um deus terrível. Aprenda a praticar o autocontrole em relação aos alimentos e renuncie qualquer sinal da GULA.

Algumas pessoas dão como desculpa o versículo “O exercício físico é de pouco proveito; a piedade, porém, para tudo é proveitosa, porque tem promessa da vida presente e da futura”. (1 Timóteo 4.8) Creio eu que “pouco proveito” não signifique “nenhum proveito”. Uma vez postei a seguinte frase:“Nossa, aquele rapaz não sai da academia. Disse o sedentário do seu sofá”. Eu quis dizer que são dois extremos, aquele que está no sofá com sua gula está tão errado quanto ao fanático por treinamento e que faz do seu corpo um ídolo. Mas existe um meio termo, há um equilíbrio, todos nós vamos envelhecer, mas podemos envelhecer com uma qualidade de vida adequada.

Quando seu corpo não está saudável, por negligência, é provável que seu raciocínio poderá estar letárgico também. Cuide do corpo que Deus lhe deu, lembre-se sempre de que se está correndo para o reino de Deus, proteja sua saúde, assim chegará à linha de chegada com vigor e apto para toda boa obra. Não negligencie nem seu corpo nem a mente, pois um faz parte do outro.

Por Daniele Bosqueti Vilas Boas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *