Presidente do SINDCONSTRUCIVIL/ZD Diz que no dia do trabalhador não há mais o que comemorar, apenas as lembranças dos direitos trabalhistas e sindical que foram retirados da CLT pelo Governo TEMER

O dia do trabalhador perdeu a empolgação das homenagens, a referência das lutas, a alegria foi substituída pelo olhar triste e pelo medo de continuar lutando, pois a vulnerabilidade tornou-se uma ameaça para todas as categorias, ficou claro e evidenciado o fortalecimento do Poder da classe empresarial, foram eles os únicos a se beneficiarem com a Reforma Trabalhista, reforma imposta pela maldição do Governo Temer apoiado pelos Deputados Tapurus do Lixo chamado Câmara Federal, antro de  corrupção e de bandidagem, malditos deputados que em troca de emendas para suas campanhas venderam suas almas para o diabo votando contra os direitos dos trabalhadores , aqui vale se relembra os parlamentares do Maranhão que foram a favor da Reforma e que não merecem se reelegerem ( Veja o nome dos traidores AQUI          OS DEPUTADOS TRAIDORES QUE DEVEMOS REPUDIAR ).

Apesar de tantas negativas proporcionadas pelo Herodes Temer, ainda vale a pena trazer à mente a história do dia primeiro de maio, data que nos  faz reportar  o ano de 1886 na industrializada cidade de Chicago (Estados Unidos). No dia 1º de maio deste ano, milhares de trabalhadores foram às ruas reivindicar melhores condições de trabalho, entre elas, a redução da jornada de trabalho de treze para oito horas diárias. Neste mesmo dia ocorreu nos Estados Unidos uma grande greve geral dos trabalhadores.

 Dois dias após os acontecimentos, um conflito envolvendo policiais e trabalhadores provocaram a morte de alguns manifestantes. Este fato gerou revolta nos trabalhadores, provocando outros enfrentamentos com policiais. No dia 4 de maio, num conflito de rua, manifestantes atiraram uma bomba nos policiais, provocando a morte de sete deles. Foi o estopim para que os policiais começassem a atirar no grupo de manifestantes. O resultado foi a morte de doze protestantes e dezenas de pessoas feridas.

Foram dias marcantes na história da luta dos trabalhadores por melhores condições de trabalho. Para homenagear aqueles que morreram nos conflitos, a Segunda Internacional  socialista ocorrida na capital francesa em 20 de junho de 1889 criou o Dia Internacional dos Trabalhadores, que seria comemorado em 1º de maio de cada ano.

 Aqui no Brasil existem relatos de que a data é comemorada desde o ano de 1895. Porém, foi somente em 26 de setembro de 1924 que esta data se tornou oficial, após a criação do decreto nº 4.859 do então presidente Arthur da Silva Bernardes. Neste decreto, Arthur Bernardes estabeleceu a data como feriado nacional, que deveria ser destinado à comemoração dos mártires do trabalho e confraternização das classes operárias.

 Porém, nas décadas de 1930 e 1940, o presidente Getúlio Vargas passou a utilizar a data para divulgar a criação de leis e benefícios trabalhistas. O caráter de protesto da data foi deixado de lado, passando assumir um viés comemorativo. Vargas passou a chamar a data de “Dia do Trabalhador”.

Em 1º de maio de 1940, o presidente Getúlio Vargas instituiu o salário Mínimo. Este deveria suprir as necessidades básicas de uma família (moradia, alimentação, saúde, vestuário, educação e lazer).

 – Em 1º de maio de 1941 foi criada a Justiça do Trabalho, destinada a resolver questões judiciais relacionadas, especificamente, as relações de trabalho e aos direitos dos trabalhadores.

“Diante de tantos desafetos, agressões contra os operários, as dificuldades enfrentadas no dia a dia, gostaríamos de desejar um feliz dia 1 de maio a todos os trabalhadores da Regional do Alto turi, que possamos continuar firmes em nossas lutas por melhores condições de trabalho, pois  juntos somos  fortes, com a força de Deus e do nosso Sindicato teremos mais motivação para lutar. A todos o meu forte abraço, que possamos continuar irmanados nessa fraternidade, alargar nosso companheirismo e alimentar a esperança de melhorar nosso padrão de vida .Francisco” Amorim-Presidente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *