Presidentes dos Sindicatos dos ACS do Maranhão participam de reunião na sede da FEMACS em São Luis.

Representantes dos Sindicatos dos Agentes Comunitários de Saúde dos Municípios de Viana, Bacabal, Rosário;Caxias; Alto Turi; Barra do Corda;Chapadinha; Codó; Barreirinhas; São João dos Patos; São Luís; Presidente Dutra;Santa Inês; Itapecurú; Imperatriz e Pedreiras se reuniram na manhã desta terça-feira, 22 de janeiro para discutir assuntos pertinentes aos interesses da categoria.Em pauta a  Programação para 2019, Assembleias  regionais, Plenária estadual (definições  de locais, valor ), Registro Sindical,  Check-in liste, CONACS.

         Sobre as Assembleias regionais, a presidente da Federação Marleide, informou que conforme entendimento dos presidentes, as mesmas serão realizadas nos Municípios onde há representantes com cadeira na Federação, são dez regionais que estarão discutindo suas pautas e formando suas agendas para 2019, com início em Barra do Corda já agora no dia 31 de janeiro,   seguindo as demais  nos meses de fevereiro , março, finalizando em abril,  a depender de seus calendários.

         Em relação à plenária estadual, foi deliberada na reunião que a mesma acontecerá na primeira semana de maio, ficando para definir apenas o local, tendo como sugestão a cidade de  Barreirinhas, Caxias , Imperatriz ou Barra do Corda , escolhido o Município será deliberado junto com a Federação os custos  de hospedagem e despesas de deslocamento.

         No que tange à questão dos REGISTROS dos sindicatos faz-se necessário que todos busquem suas atualizações conforme exigência do Código Civil, lembrando que os sindicatos devem protocolar solicitação de carta de registro até o mês abril, com protocolo em mãos ficará mais fácil para seguir com as demais documentações, para facilitar e deletar todas as pendências, a Federação se colocou à disposição para orientar todos os dirigentes dos sindicatos sobre como proceder diante das burocracias, inicialmente  será passado um Check-in liste para que no momento do registro não haja pendências, segundo  Marleide consta na federação apenas nove sindicatos com registro legal e carta sindical.

         Para retomar as discussões da esfera nacional, a FEMACS informou durante reunião que está agendado uma grande reunião em  Brasília com a  direção da CONACS a ser realizada na última semana de março e a primeira semana  de abril. (28 /01 a 3/02.) “Como o prazo é curto para as articulações, todos devem correr contra o tempo”, enfatizou Marleide, disse também que de forma unânime deliberou-se uma força tarefa para que se saia para Brasília em três ou quatro  ônibus, sendo um de São Luis , outro de Viana, Santa Inês e Pinheiro, a ideia é lotar todos os ônibus para esse grande momento, com a participação dos ACS de  todos os  Estados da nação.

                 A reunião encerrou com a retomada da discussão sobre o cofinanciamento, onde em comum acordo decidiram radicalizar a luta em prol dos direitos conquistados, entretanto, não cumprido pelos Governos municipal e Estadual. “Nossa tolerância é zero em relação a esse assunto, estávamos aguardando apenas o termino das eleições para voltarmos a exigir aquilo que é nosso, e vamos à luta, mostrar nossa força e união, e com essa energia que hoje em um só alarido decidimos realizar no dia 13 de fevereiro, junto com todas as regionais uma manifestação de advertência na Assembleia Legislativa, queremos incomodar os deputados a se importarem com a nossa causa e assim chamar a atenção do Governador Flávio Dino para que o mesmo apresente uma solução quanto à contrapartida que nos foi prometida”.Desabafou Marleide.

Ainda sobre o cofinanciamento, alguns esclarecimento feito pela vice-presidente do SINDACS/TACS de São  Luis, Jucineide Santos . “A Política Estadual de Cofinanciamento da Atenção Primária estabelece o incentivo financeiro para complementação da remuneração dos Agentes Comunitários de Saúde e de Combate às Endemias no Maranhão, de, no mínimo, 10% do valor do Piso Nacional da Remuneração por agente em cada município, onde seu repasse será  feito através da transferência de recursos financeiros do Fundo Estadual de Saúde aos Fundos Municipais de Saúde, essa transferência dos recursos será feita mediante a Implantação prontuário eletrônico em cada Unidade Básica de Saúde”.Esclareceu Jucineide, disse ainda que faz parte do cofinanciamento as seguintes questões:
– Construção do processo de territorialização com pelo menos 80% dos cadastros domiciliares e individuais efetivamente realizados;
– Realização de pelo menos 80% das visitas domiciliares previstas no território descrito;
– Redução dos óbitos maternos e infantis, de acordo com os parâmetros estabelecidos em portaria da Secretaria de Estado da Saúde, a contar de janeiro de 2018. Jucineide alega que essa discussão completou agora em 2019 um ano e até agora nenhuma decisão, nada foi solucionado.

 

A imagem pode conter: 15 pessoas, incluindo Marleidy Bernabé, Concita Costa e Flavio Henrique Pereira, pessoas sorrindo, pessoas em pé e área interna

 

A imagem pode conter: 5 pessoas, incluindo Flavio Henrique Pereira, pessoas sentadas

A imagem pode conter: 7 pessoas, incluindo Ju Santos, pessoas sentadas

A imagem pode conter: 6 pessoas, pessoas sentadas

A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sentadas e sapatos

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sentadas e sapatos

A imagem pode conter: Marleidy Bernabé

 

 

 

 

Deixe uma resposta