A estratégia do Vasco de se afastar de São Januário para evitar o clima eleitoral pode ter surtido o efeito político desejado, mas, em se tratando do lado financeiro, a opção pelo Maracanã tem causado prejuízo.

Nos dois jogos em que transferiu o mando de campo para lá, os bons públicos não foram suficientes para tirar o Vasco do vermelho.

No clássico com o Botafogo, dia 14 de outubro, 27.424 pagantes assistiram à vitória cruzmaltina por 1 a 0 e geraram uma receita de R$ 1.063.215,00. Porém, com a despesa alta, o lucro foi de apenas R$ 38.088,19.

Já no último sábado (21), no empate por 1 a 1 com o Coritiba, 30.351 pagantes acumularam uma renda de R$ 994.495,00. No equilíbrio da balança, o Vasco ficou com com um saldo negativo de R$ 56.067, 71.

Os principais custos do clube no estádio têm sido a taxa de aluguel, no valor de R$ 250 mil, e as despesas operacionais, que variam em torno de R$ 400 mil.

Não é um drama só do Vasco. Na semana passada, o Flamengo chegou a protestar publicamente por ter sido obrigado a jogar o clássico contra o time cruzmaltino no Maracanã.

Como os maiores rivais, os rubro-negros sofrem com taxas e têm constantes prejuízos quando utiliza o tradicional local.Até o Fluminense, que se baseava em um acordo de 2013 para não pagar parte das taxas de administração, perdeu o direito em uma decisão judicial da última quarta (25).

Apesar de ter ficado no vermelho no somatório dos dois jogos, o Vasco deve mandar seu duelo com o Vitória, dia 5 de novembro, também por lá, uma vez que a partida acontecerá apenas dois dias antes da eleição vascaína.

Mesmo com a questão financeira, o técnico Zé Ricardo aprova as atuações no Maracanã. “Eu gosto muito de jogar no Maracanã, os jogadores também. Tem mais conforto para torcida também”, avaliou

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui