Teólogo falou sobre a simbologia da Páscoa em tempos de pandemia e criticou a condução do combate à covid-19 por Bolsonaro. “Temos um presidente que faz uma necropolítica, uma política que produz morte”

ão Paulo – O teólogo e escritor Leonardo Boff usou a simbologia da Semana Santa, que termina no dia da Páscoa, mais importante celebração litúrgica do calendário cristão, para fazer uma analogia com a atual situação do Brasil e da maior parte do mundo com a pandemia do coronavirus

“Não estamos na Páscoa, e sim na Sexta-Feira Santa, porque a Terra está crucificada. A humanidade está sendo flagelada. Tudo isso nos faz pensar muito”, afirma, em entrevista a Glauco Faria e Marilu Cabañas, no Jornal Brasil Atual. “Pela primeira vez na nossa história recente estamos em uma espécie de guerra global. As guerras são sempre regionais, agora não, atacou o planeta Terra”, compara, em referência ao coronavírus.

Segundo Boff, a partir da superação da pandemia, as pessoas precisarão mudar a forma de interagir com a natureza, alterando seu próprio modo de vida. “Nossa esperança é que nós ressuscitemos, que esse vírus possa ser contido, expulso, destruído, e daí poderemos voltar à vida. Mas uma vida nova. Porque não basta simplesmente, como em Lázaro, uma reanimação da nossa vida, que volte a como era antes”, pontua.https://www.redebrasilatual.com.br/cidadania/2020/04/leonardo-boff-pascoa-coronavirus-bolsonaro/

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui