A pessoa com transtorno bipolar pode viver bem

Baseado no texto do Evangelho do Bom Samaritano, vamos aprender como ajudar um paciente com esse tipo de transtorno. Para elucidar a importância de ajudar a quem precisa, gostaria que trabalhássemos passo a passo essa passagem da Sagrada Escritura.

O texto bíblico em Lc 10,25-37 diz que um homem descia de Jerusalém a Jericó e caiu na mão de ladrões, encontrando-se caído pelo caminho em uma situação de grande necessidade. A partir daí, o texto relata a postura de alguns personagens que por ali passaram e tomaram conhecimento daquela difícil situação.

Abaixo, alguns passos para ajudar um paciente com transtorno bipol

Passo 1: Conhecer.

Pensemos que os sintomas do transtorno bipolar são como esses ladrões que despojam a pessoa de si mesma e, depois de maltratá-la com muitos ferimentos, retiram-se, deixando-o meio morto, sem identidade. É assim que, muitas vezes, encontramos o paciente bipolar: desfigurado pelos sintomas que o assolam, impondo-lhe estigmas extremamente fortes. Conhecer os sintomas dessa doença é, sem dúvida, a primeira das atitudes se queremos ajudar o sofredor de uma enfermidade dessa natureza.

Continuando a narrativa evangélica, vemos alguns personagens que descem pelo caminho, tomam ciência daquela realidade e até percebem a necessidade do homem, mas não se comprometem com aquela causa. Passam adiante. Então, chega o samaritano, que assume o cuidado. Vemos, nessa cena, um segundo passo, imprescindível para quem, de fato, quer ajudar o outro.

Passo 2: Comprometer-se

Aquele samaritano se comprometeu. Não apenas conheceu a realidade, mas assumiu uma responsabilidade no auxílio daquele que precisava de socorro. É preciso comprometimento para verdadeiramente ajudar. E por que agiu assim? Porque se encheu de compaixão. Essa resposta nos conduz ao terceiro passo de nossa caminhada.

Para se envolver e cuidar de quem quer que seja, sobretudo de alguém que sofre de um transtorno mental, deve-se ter compaixão. Dentro da etimologia da palavra “compaixão”, significa sofrer junto, saber de onde vem esse sofrimento, compadecer-se.

Passo 3: Compadecer-se

Entender que o outro não deve estar só em sua enfermidade, não deve se sentir só em sua luta. Seguindo nossa reflexão, lemos que esse samaritano se compadeceu e aproximou-se. Eis um passo muitíssimo importante.

Passo 4: Aproximar

É preciso se fazer próximo. Como se aproximar de modo que seja uma ajuda efetiva?
Algumas dicas: motivar, ordenar o ritmo diário da vida, estabelecer limites bem claros, fazer reforço positivo, reconstruir a confiança, evitar centralizar a doença, aprender a viver bem, valorizar aquilo que ela está fazendo de bom, sobretudo, o que é criativo. Ter uma vida saudável é essencial, por isso é importante ser próximo e incentivar sua prática: dieta, atividade física para canalizar as emoções. Ter atenção aos sinais de alerta, seja dos sintomas depressivos ou daqueles que são mais eufóricos, dos sintomas de humor mais elevado. É importante ler esses sinais. É necessário estar próximo e atento para que, desde o primeiro momento, seja canalizado de maneira positiva.

O paciente com transtorno bipolar pode viver bem e ter uma vida praticamente normal, principalmente se tiver apoio familiar, fizer parte de um grupo de ajuda mútua, sobretudo, a oração, a intimidade com Deus. Isso é aproximar-se.

Na linguagem do Evangelho de hoje, quando pensamos no samaritano e na pessoa do cuidador, naquele amigo, naquele familiar de alguém com transtorno bipolar, pensamos nesse sentido: aproximou-se até sanar as feridas. Quer dizer, ajudou-o a enfrentar, ajudou a cuidar. Lembrando sempre que o paciente também é responsável, também deve se comprometer com o seu processo terapêutico. Mas ele pode querer interromper o tratamento e a atenção do cuidador ou do amigo, mas este deve motivá-lo a fazer isso somente com a orientação do médico. Pode, ainda, querer não participar das sessões de psicoterapia e precisa ser motivado. Como a leitura sagrada, é preciso encontrar um caminho para se chegar ao coração, até às feridas, deitando nelas o azeite que alivia e o vinho que cura, que dá alegria. Pensemos que o azeite citado no texto é como o bálsamo do amor, e o vinho como a alegria, tão necessária no processo daquele que tem um sofrimento mental.

Ao fim da parábola, percebemos uma sublime atitude do samaritano: “colocou-o sobre a própria montaria”. Que belíssimo isso! Ele não colocou sobre uma montaria qualquer, mas o assumiu para si. Chegamos, assim, ao quinto de nossos passos para a ajuda.

Passo 5: Assumir

Para tratar, cuidar, deve-se trazer para junto de si, assumir a vida desse irmão com suas graças e desafios. Significa, pois, assumi-lo. O Evangelho diz que, no dia seguinte, o cuidador levou o enfermo a uma hospedaria e tratou dele. É assim que se deve caminhar, não só com aquele que tem um transtorno bipolar, mas com todos aqueles que sofrem. Tomar para si os outros, fazer-se parte, tê-los como seus. Esses passos são válidos para todos eles.

Essa passagem da Sagrada Escritura é válida para toda pessoa que quer cuidar, que quer aliviar e se compadece. Terminamos com o sexto passo, que norteia todos os anteriores e, mais que isso, plenifica-os.

Aqui, apenas o nomearemos, pois entendemos que fala por si mesmo e somente o entenderemos totalmente na experiência do próprio caminho.

Passo 6: Amar e Servir

Visite esse site e saiba mais

- O que fazer no momento da raiva

O que fazer no momento da raiva?

A raiva é uma das emoções mais básicas e simples, presente em qualquer ser humano e encontra-se na categoria das emoções primárias. Leia e compartilhe! Continue lendo →
Quanto custa a sua paz interior?

Quanto custa a sua paz interior?

Não podemos parar em todos os obstáculos que aparecem à nossa frente. Nada vale a nossa paz interior. Leia o texto e compartilhe! Continue lendo →
O que não lhe contaram sobre esperar

O que não lhe contaram sobre esperar

Aposto que esse título lhe deixou super curioso para saber o que não contam para nós sobre esperar! Leia o texto e compartilhe! Continue lendo →
Será que os meus sentimentos são reais?

Será que os meus sentimentos são reais?

Os sentimentos trazem uma influência direta do histórico de vida da pessoa, as coisas em que ela acredita, as experiências que possui. Leia e compartilhe! Continue lendo →

Carência: como ela pode afetar sua vida?

Muitas pessoas se questionam sobre o que é carência afetiva e como ela se manifesta em nossa vida e pode ser percebida. Leia o texto e compartilhe! Continue lendo →
Qual é o remédio para superar o medo de mudar?

Qual é o remédio para superar o medo de mudar?

Superar o medo de mudar, que paralisa e impede os avanços necessários, é um grande desafio humano. Leia o texto e compartilhe! Continue lendo →
Como posso perdoar o outro e recomeçar a minha vida?

Como posso perdoar o outro e recomeçar a minha vida?

Como perdoar e recomeçar a vida novamente? Quem serei eu se perdoar? É preciso ter coragem de olhar o outro por trás da máscara de vilão. Confira! Continue lendo →
Tem jeito de viver sem ter inveja de alguém?

Tem jeito de viver sem ter inveja de alguém?

É muito triste quando percebemos que a inveja nos deixa triste por ver alguém feliz. Você se alegra ou entristece com as conquistas alheias? Leia o texto! Continue lendo →

 

Fonte:https://formacao.cancaonova.com/atualidade/comportamento/como-ajudar-uma-pessoa-portadora-de-transtorno-bipolar/

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui