Abençoadas são as mãos dos trabalhadores, responsáveis por fazer o motor da nossa nação em constante funcionamento! Feliz Dia do Trabalho!

Francisco Amorim -Presidente do SINTRACCSTR

O ano de 1886 marca   o inicio  da história de luta  dos trabalhadores. Vale recordar que a alusão a esta data começou na industrializada cidade de Chicago (Estados Unidos), quando milhares de trabalhadores foram às ruas reivindicar melhores condições de trabalho, incluindo-se a desumana carga de trabalho de treze horas de labuta por dia. Até os dias de hoje, muitas conquistas aconteceram. Mas ainda há muito a se conquistar. A perspectiva de vida mudou e a projeção de vida útil para o trabalho, também.

“Nós temos buscado atuar de maneira firme na luta pelos direitos da categoria e somente teremos êxito nessa batalha com o apoio incondicional dos trabalhadores”.

Neste dia 1 de maio, dia do Trabalhador o sindicato dos trabalhadores e trabalhadoras na indústria da construção civil de santa Inês Zé  Doca e Região MA – SINTRACCSTR parabeniza todos os trabalhadores por todo esforço que cada um tem feito no sentido de construirmos uma sociedade mais justa e pela disposição de luta em defesa de seus direitos.

Essa data deve ser de reflexão e de luta, momento de unir forças e lutar contra os ataques do governo Bolsonaro aos empregos dos mais de 15 milhões trabalhadores desempregados que na verdade estes números são muito maiores do que se divulga.

O Dia do Trabalho ou Dia do Trabalhador é comemorado anualmente em 1º de maio em diversos países do mundo.

O Dia do Trabalho é feriado nacional no Brasil, em Portugal, Rússia, França, Espanha, Argentina, entre outras nações.

Esta data representa o momento que os empregados e os empregadores têm para refletir sobre as legislações trabalhistas, normas e demais regras de trabalho.

Nesta data também é homenageada a luta dos trabalhadores que reivindicaram por melhores condições trabalhistas. Graças à coragem e persistência dessas pessoas, os direitos e benefícios atuais dos quais usufruímos foram conquistados até meados do século XIX, os trabalhadores jamais pensaram em exigir seus direitos trabalhistas para seus patrões, apenas trabalhavam. Mas, a partir de 1886, aconteceu uma manifestação de trabalhadores nas ruas de Chicago, para reivindicar a redução da jornada de trabalho (de 13 horas para 8 horas diárias), e em 1º de maio desse ano milhares de pessoas foram às ruas iniciando uma greve geral nos Estados Unidos.

Os conflitos estadunidenses ficaram conhecidos como Três anos após as manifestações nos Estados Unidos (20 de junho de 1 889, precisamente), foi convocada em Paris uma manifestação anual para reivindicação das horas de trabalho e foi programada para o dia 1º de Maio, como homenagem as lutas sindicais em Chicago.

No dia 23 de abril de 1919, o Senado francês ratificou as 8 horas de trabalho e proclamou o dia 10 de maio como feriado. Após alguns anos, outros países também seguiram o exemplo da França e decretaram o dia 1º de maio como feriado nacional dedicado aos trabalhado.

No Brasil, o Dia do Trabalhador só foi reconhecido em 26 de setembro de 1924 através do decreto n o 4.859 assinado pelo então presidente Artur da Silva Bernardes.

A criação da CLT (Consolidação das Leis de Trabalho) foi instituída através do Decreto-Lei n o 5.452, em 1º de Maio de 1 943, na gestão de Getúlio Vargas. Durante o governo Vargas realizavam-se grandes manifestações que incluíam música, desfiles e normalmente o anúncio de alguma nova lei trabalhista. Até hoje, alguns governos seguem a tradição e comunicam o aumento do salário mínimo nesta data.

O dia do trabalho é comemorado com manifestações convocadas pelas principais centrais sindicais do Brasil para reivindicar melhores condições de trabalho. Infelizmente está com certeza é a maior crise que enfrentamos em nossa história recente e coloca desafio enormes para a classe trabalhadora o 1º de maio é o momento de resgatar nossa trajetória de lutas, buscando nela o aprendizado, a energia os valores e princípios que fortaleçam a esperança de que vamos superar a crise e construir uma sociedade realmente democrática na qual a classe trabalhadora tenha vez e voz. juntos devemos nos unir contra a discriminação de raça, gênero que não aceita as desigualdades e assegura emprego renda e proteção social a todos. queremos uma sociedade que contesta e coíbe a ofensiva do capital contra os trabalhadores e não aceita o enfraquecimento dos sindicatos ou a precarização das relações de trabalho queremos uma sociedade onde saúde, educação, segurança, cultura sejam asseguradas universalmente ao lado da preservação do meio ambiente e do desenvolvimento sustentável essas são as reivindicações que nos unem e só conseguimos no entanto atingir esses objetivos estratégico sem um arco mais amplos de alianças com setores democráticos da sociedade e trabalho das. Juntos somos fortes unidos venceremos.

Sindicato dos trabalhadores na indústria da construção do mobiliário de santa Inês Zé doca e região 

Presidente -Francisco Amorim

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui